NOSSOS DEUSES SÃO SUPER-HERÓIS

O livro escrito por Christopher Knowles “Nossos deuses são superheróis” possui uma ótima análise do culto aos super-humanos dos quadrinhos que tomaram o lugar dos antigos deuses de antigamente. 

Super Deuses

Knowles tem bastante experiência no assunto, trabalhou nessa indústria por décadas e já colaborou para vários trabalhos que receberam Eisner, o grande prêmio dos quadrinhos. Mas nesse livro ele trata de um assunto muito interessante, dissecando alguns personagens e ligando a história dos quadrinhos com o desenvolvimento social de maneira linear para que possamos acompanhar sua ideia.

Não é segredo que os autores e criadores desses personagens tão queridos tenham bebido na fonte de lendas antigas para dar vida às suas criações, sejam lendas nórdicas ou gregas, sociedades secretas, mitos e religiões e até esoterismo. E o autor nos agracia com vários exemplos, de maneira bem escrita e nem um pouco enfadonha, com ilustrações bem estilizadas de Joseph Michael Linsner.

Os seres humanos sempre precisaram de deuses para que pudessem se agarrar no momento de necessidade, e tudo por causa do medo. Na primeira parte do livro ele trabalha bem essa necessidade, onde relata como as histórias em quadrinhos sempre tentava ajudar os leitores a enfrentar perigos reais em suas vidas. A Grande Depressão Americana e a Segunda Guerra Mundial são os dois grandes eventos que deram vida ao super-herói moderno e podemos perceber isso ao lembrarmos os vilões que os heróis enfrentavam na época: gangsteres, tiranos fascistas, políticos corruptos, gerando assim uma válvula de escape para os leitores fugirem da realidade. 

A História Secreta Dos Super-Heróis Das Histórias Em Quadrinhos

SupermanCapitão AméricaBatmanMulher Maravilha foram criados nessa época. Podemos perceber que a Era de Ouro dos quadrinhos teve fim quando esses dois infames eventos foram superados pelos americanos, e as vendas de gibis de heróis diminuíram, mas quando o medo de um embate nuclear entre as grandes potências se tornou forte durante a Guerra Fria, lá estava a Era de Prata despontando, com dezenas de heróis surgindo na década se 60, como a maioria dos VingadoresHomem AranhaX-Men entre outros com inimigos tecnológicos, heróis espaciais, alguns representante a vitória dos americanos da corrida armamentista (Homem de Ferro) ou criados pelos efeitos nucleares (Hulk), até retornando velhos deuses (Thor) para que a realidade seja novamente esquecida.

O tempo passa, os americanos percebem (ou boa parte deles) que são os verdadeiros vilões da Guerra do Vietnã e diversos eventos fazem com que  a indústria de quadrinhos caia. Mas novamente estariam de volta quando o medo voltasse. Ocorreu na metade da década de 80, com grande ajuda de Pablo Escobar e as drogas rolando soltas entre os jovens.

Super Heróis Deuses

Com o presidente Reagan mais preocupado com seu rancho e comunistas, que surge Batman: O cavaleiro das trevas e Watchman. Pronto, era uma das melhores épocas dos quadrinhos. A década de 90 sofreu uma das piores crises na venda dos quadrinhos por culpa das próprias editoras, na chamada Era do cromo, e os americanos estavam mais preocupados com Bill Clinton assediando estagiárias do que problemas sociais.

Guerras Secretas

Mas o medo sempre volta, e dessa vez veio de forma bem pesada, necessitando que as HQs dessem um passo bem longo para ajudar os heróis a se tornarem deuses. o filme do Homem Aranha em 2002 desencadeou uma onda de filmes de super heróis que perdura até hoje, mas foi o 11 de Setembro que deu aos americanos o medo necessário para que esses filmes sejam lançados até agora, uma vez que os atentados ocorrem até a data de hoje e em vários localidades do planeta. E essa indústria se tornou cinematográfica com lucros nunca antes obtidos pelas editoras.

Knowles vai percorrendo a história dos quadrinhos e nos detalhando tudo o que foi exposto acima, desde o antigo Egito, passando por GréciaRoma e nos relembra as grandes Seitas Secretas que se tornaram tão conhecidas. Tudo ajudou a dar vida à imaginação dos criadores dos super-heróis.

Alguns homens que são conhecidos como super-humanos também são comentados, como o satânico Aleister Crowley e o mágico escapista Houdini. Na parte três ele nos dá uma aula de algo que para mim é superinteressante e fonte inesgotável de pesquisas: PulpFiction, que não existiria se escritores como Edgar Allan PoeConan DoyleJulio VerneH. G. Wells e BramStoker, e também não sobreviveria se outros grandes autores não tivessem abraçado a ideia e alimentado essas histórias de ficção barata e tão cultuadas que seriam os pais das Historias em Quadrinhos, como Lovecraft e E. Howard, onde lendárias revistas como WeirdT ales fariam história.

Para salvar a humanidade era necessário utilizar muitas fontes, e uma árvore possuíam galhos alimentados por diversas raízes, que iam dos grandes magos das histórias medievais, messias bíblicos (Superman sem dúvida), heróis de guerra, feminismo, mitologia, lendas judaicas, e até sentimentos como a força de vontade (Lanterna Verde) e preconceito (X-Men) e vingança (Batman e mais um exército de personagens). Ao final ele presta uma homenagem a grandes visionários dos quadrinhos, como Alan MooreNeil GaimanMignolaAlex Ross, e logicamente o grande rei Jack Kirby. Um livro para quem gosta da nona arte.

5/5 - (5 votes)
Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumiremos que você está ok com isso, mas você pode cancelar se desejar. AceitarMais informações