Games e crimes: uma relação mentirosa

Estou voltando nesse assunto antigo sobre os jogos violentos. Hoje vamos falar das consequências na vida das pessoas.

Jogos violentos deixam jovens mais violentos? Jogos violentos influenciam a violência?

No Rio de Janeiro um crime que chocou o Brasil e o mundo: um assassino entrou em uma escola no bairro de Realengo e matou 12 crianças.

Um crime sem precedentes no Brasil, mas que já ouvimos falar da sua ocorrência em outros países. E nestes outros casos, temos sempre a mesma comparação e o provável ‘incentivo’ para os assassinos: a influência dos games. E a quantidade de baboseiras que a ‘mídia’ divulga chega a dar vergonha. Pensando nos crimes cometidos, na possível influência dos games e sendo uma gamer, resolvi expor minha opinião e os lados destes casos.

Jogos influenciam a violência? Juventude perdida?

Um dos casos mais conhecimentos no mundo ocorreu em 20 de abril de 1999 no Instituto Columbine, em Colorado, Estados Unidos. Dois estudantes de 18 e 17 anos entraram na escola, matando alunos e funcionários. Como de costume após os crimes, o procedimento é pesquisar sobre o passado dos autores, possíveis influência, se enfrentava algum problema, preconceito e etc.., e neste caso, descobriu-se que ambos os assassinos eram fãs da série Doom, um dos jogos pioneiros no gênero de tiro e violência. Ambos sofriam de depressão, tinham pensamentos suicidas e eram adeptos do nazismo.

No Brasil, um crime bárbaro envolvendo influência dos games violentos aconteceu em novembro de 1999, em São Paulo.

jogos violentos e suas consequências

O estudante de medicina Mateus da Costa Meira entrou em cinema do Morumbi Shopping, com cerca de 40 pessoas na plateia, e disparou tiros de uma submetralhadora, deixando 3 mortos e vários feridos. Dessa vez, Mateus seguiu os mesmo passos do jogo Duke Nukem 3D. Era viciado em crack e cocaína.

Games são violentos? Agressão?

Agora este caso, ocorrido no Rio de Janeiro, bairro do Realengo. Wellington Menezes de Oliveira entrou em uma escola do bairro e matou 12 crianças, sendo 10 meninas e 2 meninos. Outras estão internadas juntamente com funcionários da escola. Após ser atingido por um sargento, Wellington se suicidou.

Nas investigações realizadas na época, descobriu-se que Wellington jogava GTA e Counter Stryke. De acordo com conhecidos, sofria bullying na escola e distúrbio mental.

Todos tem em comum jogar vídeo game. Porque o número de jogadores é alto, simples assim.

O atirador de Realengo também poderia comer pãozinho com manteiga sem sal e a culpa seria da manteiga sem sal?

Jornalista normalmente não se importa que o atirador de Realengo era doido e queria ser um terrorista, que adorava o 11/09. A culpa foi da TV e dos jornais que mostraram isso então?

Perceberam algo parecido nestes 3 casos? Todos sofriam de um determinado tipo de problema. Vou relatar o caso de uma pessoa comum, no meu, por exemplo:

Me chamo Claudio Gomes do Blog Cosplace. Não consumo drogas, não tenho problemas com álcool, não sofro de depressão, sempre tive bom relacionamento com minha família, colegas na escola e no trabalho, tenho uma religião, mas não sou fanático. Jogo desde meus 12 anos e muitos destes jogos são violentos, como GTA, Doom, Carmageddon, Counter Strike, entre outros. Entretanto, não tenho coragem de matar uma barata.

Influência dos jogos digitais na atualidade

Viram a diferença? Eu JAMAIS faria qualquer mal a uma pessoa por presenciar qualquer acontecimento em um jogo, pois não tenho nenhum problema, seja mental, familiar, ou qualquer outro. E é aí que está o problema em apontar um jogo de videogame como a causa ou influência para um crime.

É claro, a realidade em um jogo, principalmente os FPS, é muito grande, toda a sensação de matar, mutilar, bater, está presente para quem joga. Mas querer culpar somente os games em crimes bárbaros é sensacionalismo barato.

A falta de conhecimento de certos jornalistas é tão grande que causa vergonha. Olhando no Twitter, vi muitos gamers comentando a respeito de uma matéria feita por um jornalista em que aponta jogos como GTA e Counter Stryke como influência para o assassino de Realengo, para ver a matéria clique aqui.

Videogames e violência

Só o fato de dizer que em GTA e Stryke é necessário matar crianças, mulheres e idosos para ganhar pontos, a matéria já perdeu toda a credibilidade. Os jogos são divulgados apenas como jogo de violência gratuita sem fundamento, são raros os que conhecem a história do game, do porque matar, porque cometer crimes, e com isso saem por ai falando besteira.

Então pergunto, os games podem influenciar as pessoas a cometer crimes? Somente os games, não.

Se a pessoa possui algum problema em que seu comportamento é alterado, ai sim, podem influenciar. Acredito que estes criminosos tenham realmente se inspirado em cenas, personagens ou situações a partir de um game.

Da mesma forma como um filme influência. Em 1996, o filme ‘O Diário de um Adolescente‘ serviu de influência para um rapaz entrar em uma sala de aula com um casaco preto, escondendo armas, e matar 3 pessoas.

Jogos violentos e suas consequências – Cybercrime?

Da mesma forma que uma religião influência, quantos casos acontecem de pessoas que se matam e matam outras pessoas por devoção a uma seita ou religião?

Então, como disse anteriormente, culpar uma forma de entretenimento que cresce a cada dia, emprega milhares de pessoas e fatura bilhões mostra como ainda existem o preconceito contra os games.

Influência dos jogos digitais na atualidade podem criar uma nova geração?

O famoso jogo eletrônico sempre vai existir, criança sempre terá acesso cada vez maior, saúde mental precisa ser tratada e a tecnologia não pode ser relacionada a crime.

Sim precisamos dos meios de comunicações. Mas, infelizmente a mídia em geral sempre tenta arrumar um pouco mais de ibope falando e acusando alguma coisa. Não é de hoje que sempre acham algo que está fora do normal e o colocam como um agente de terror.

Eu tenho uma opinião. Alguém que está sujeito a sofrer influência dos jogos, está igualmente vulnerável a sofrer de qualquer outro veículo de comunicação (seja por filmes, TV aberta, seriados)…

Tem os casos também envolvendo ataques com cães. Ganham a mídia se for da raça pit-bull, e o que acontece? A raça fica mal falada e pessoas sem discernimento espalham bobagens aos 4 ventos. No caso dos jogos não é diferente.

Por isso que digo que games e crimes influenciados por games é uma relação mentirosa que a mídia insiste em expor como verdadeira. E ainda temos que aguentar um projeto de lei em que solicita a proibição de games com conteúdo ofensivo, com tanta coisa mais importante para se preocupar nesse Brasil, começando lá mesmo no Senado. Porém e ainda bem decisão retirada pelo autor e destino ao arquivo.

5/5 - (3 votes)
Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumiremos que você está ok com isso, mas você pode cancelar se desejar. AceitarMais informações