Crítica Hotel Transilvânia 2: Um manual de como acabar com a mensagem de um filme

hotel transilvania 2 críticaTítulo: Hotel Transylvania 2
Título em Português: Hotel Transilvânia 2
Gênero: Animação, Comédia, Família
Estúdio: Sony Pictures Animation
País de origem: Estados Unidos da América
Data de lançamento (US): 25/09/2015
Data de lançamento (BR): 25/09/2015
Diretor: Genndy Tartakovsky
Produção: Jonas Rivera
Roteiro: Adam Sandler, Allen Covert e Robert Smigel
Música: Mark Mothersbaugh
Idioma original: Inglês

[wp-review]

Quando cheguei ao cinema eu já tinha uma pequena ideia do que esperar do filme. Por ser uma sequência do primeiro filme Hotel Transilvânia, já era esperado uma animação voltada para as crianças (ao contrário do que vem fazendo o estúdio Pixar com suas animações voltadas para a família como um todo). Hotel Transilvânia 2 foi um dos filmes que selecionamos como os lançamentos mais esperados da semana, com piadas bestas servidas ao estilo palhaçada. O filme entrega isso e muito menos, uma mensagem que vem sendo construída desde o primeiro filme conseguiu ser aniquilada e entregue aos lobos; confiram a crítica de Hotel Transilvânia 2.

Roteiro: (2/10)

Vamos começar o reviews pelo que podemos apontar, sem sombra de dúvidas, o pior aspecto do filme. Desde o primeiro longa da sequência, a mensagem que Hotel Transilvânia passa para as crianças é mais do que essencial ainda mais quando direcionado para crianças “nós devemos aceitar e amar as pessoas como elas são” e o que mais achei fantástico é de como o filme conseguiu destruir completamente essa mensagem! O conceito é segurado o filme inteiro quando por livre necessidade de cenas com mais ação e belas animações o roteiro consegue se auto destruir e acabar com uma bela mensagem que também deveria ser transmitida no segundo filme. Simplesmente decepcionante. Do mais, os diálogos conseguem entregar aquilo que prometem: um humor infantil, o que acaba salvando a nota do filme de zero.

Direção: (6/10)

A direção é consistente para o estilo de filme. Nada de surpreendente ou adicionais na história que despertem qualquer tipo de emoção, devido ao roteiro fraco e personagens que poderiam ser muito mais carismáticos. O filme acaba por entregar no sentido direção um filme linear e sem surpresas, todavia, boa.

Fotografia: (5/10)

Outro sentido no filme que passa despercebido, as cenas não são maravilhosas, mas também não péssimas. Um estilo medíocre.

Animação: (8/10)

Um aspecto que com certeza consegue salvar o filme é sua animação, a equipe se empenhou bastante e conseguiu subir o nível em relação ao longa anterior. Mesmo com seu humor infantil (o que não o faz perder pontos, já que é a finalidade que foi produzido) e com o estilo besteirol americano para crianças com cenas de danças de break inesperadas e desnecessárias o filme sempre compensa pela sua animação, sempre bem produzida e impecável. Porém, nada genial, apenas belo.

Personagens: (3/10)

Poderia ser bom, mas não é. No primeiro filme de Hotel Transilvânia temos personagens super carismáticos que conseguem dar uma dose extra de humor, porém na sequência os novos personagens são fracos, mal construídos e acabam por se sustentarem nos personagens antigos. O carisma e a ligação afetiva com o público poderia ser muito melhor trabalhada e eles possuíam potencial de serem mais explorados e enriquecidos, o que não foi entregue.

Nota geral: (4,8/10)

O filme realmente não convence. Ele acaba se estagnando na tentativa forçada de humor (onde sequer as crianças acharam tão engraçado assim) e esquece dos demais aspectos que precisa entregar até mesmo para um filme infantil, precisamos lembrar que o vínculo emocional e a mensagem são uns dos aspectos mais importantes nesse estilo de produção e nenhum dos dois foi entregue de forma satisfatória. Em relação ao primeiro filme, sua qualidade, exceto em animação, é visivelmente inferior e despreparada. Muitos filmes amadores conseguem entregar muito mais do que foi feito em Hotel Transilvânia 2. Recomendado para crianças que ainda não sabem falar e ficarão surpresas pelas cores na telona, do mais, ele fica abaixo da mediocridade.

você pode gostar também Mais do autor