Cospin com Thunderboult do canal LBTV

Renan é conhecido como Thunderbout pela internet a dentro, tem 26 anos e é de Mogi das Cruzes, São Paulo. Formado em análise de sistema e jogos pela FATEC de Americana, faz freelances de edição de vídeo, trabalhando também com o seu amigo Ludobardo (Arthur Protasio), que tem uma empresa que faz narrativas.

Hoje ele é gerente de conteúdo do canal LBTV, que surgiu primeiramente no Facebook com o nome LB que significa Lawliet Birthday -inspirado em Death Note- por volta de 2010-2011. A LB é uma rede de páginas voltada a cultura pop oriental, não só sobre animes, mas falando sobre moda, K-pop e outros assuntos relacionados em uma rede enorme que hoje tem entre 43 e 46 páginas ao todo, somando cerca de 7 milhões de curtidas. 

LBTV

Como é o trabalho da LBTV e quem faz parte da equipe?

Por volta de Março de 2014 a LBTV surgiu no Youtube com a proposta de ser um canal dedicado para falar exclusivamente sobre animes na parte crítica, de análise e de entretenimento.
Além de mim temos primeiramente o nosso “Big Boss” que é o Mamede, conhecido como Birthday, que é o dono da LB e, consequentemente da LBTV, tem o Kyler que é um integrante mais antigo do que eu (que era do núcleo de páginas de anime da LB como a página de Sword Art Online ) e o Pendragon, sendo os três fundadores da LBTV, mas a equipe como um todo chega a ter em torno de 15 pessoas como integrantes oficiais do canal, tem páginas, tem CDCs (Criadores de Conteúdo), pessoas que trabalham com roteiro, edição, apresentação, então tem bastante gente envolvida no negócio.
Nós de fato queremos que a LBTV seja um canal focado inteiramente e só em animes, já que o foco principal da LBTV é ser um canal formador de opinião dentro da cultura pop voltada a animes e mangás, então queremos abranger esse grande leque e nos tornar um dos grandes nomes nessa área.

Quais são seus hobbies e interesses atualmente?

Ultimamente eu não estou fazendo muita coisa além de trabalhar, já que assistir animes de certa forma também se tornou trabalho. É até legal mas não é como se você estivesse assistindo anime para passar o tempo, você tem que analisar o negócio enquanto você vê, fazendo anotações, se lembrando de cada detalhe, então você faz o negócio que você gosta, mas tem um trabalho de atenção e mental redobrado quando faz isso. Eu gosto de jogar de vez em quando, quando dá um tempinho e quero fazer algo diferente, eu jogo, de vez em quando, Diablo III com o meu irmão e o meu cunhado aqui em casa no X Box e jogo Grand Chase, que infelizmente morreu, mas a gente dá um jeitinho de jogar através do History e eu descobri um game muito bom recentemente, que um colega meu disse que o time de desenvolvimento é brasileiro, chamado Momodora, eu joguei os dois primeiros e achei bem legal e o terceiro: “Momodora Revier and the Moon Light” que saiu esses dias e eu estou louco pra jogar, mas eu ainda não comprei e é um game muito interessante.

Cosplay de Okabe Rintarou (Hououin Kyouma) | Thunderboult
Cosplay de Okabe Rintarou (Hououin Kyouma) | Thunderboult

O que você acha de cosplayers, você também faz cosplay?

Eu já vi muitos cosplayers incríveis, mas nunca fui de acompanhar ativamente cosplayers em redes sociais, mesmo curtindo algumas páginas, mas estou começando a seguir e conhecer mais cosplayers e acho o trabalho deles excelente, pouquíssimas pessoas eu conheço de nome, mas eu tiro o meu chapéu pra quem faz cosplay a um bom tempo e se dedica a isso, acho que todas as pessoas merecem muito mais créditos que isso. Acho cosplay uma coisa excelente, sensacional e tenho muito vontade de fazer, mas faltou tempo e dinheiro para isso, porém com certeza eu farei um cosplay em breve. Já fiz um “cosplay de armário” de Okabe Rintarou (Hououin Kyouma) do anime Steins; Gate [Foto], onde estava com uma calça preta, diferente dele e o meu cabelo por ser comprido não estava igual o dele, assim como a minha barba, pois ele só tem alguns ‘fiapinhos’ no queixo, foi uma coisa simples que normalmente é muito mais fácil de ser feita, quando você parece fisicamente com o personagem, mas pra mim que tem um cabelo comprido é difícil. Tem muitos personagens que eu quero fazer e um dos primeiros da minha lista é o Ronan de Grand Chase na versão nova da Skill Tree com várias esferas no corpo com uma roupa mais carregada, ou o Inquisidor que eu também acho a roupa dele muito bonita. Eu estou amadurecendo cada vez mais essa ideia e já estou vendo algumas pessoas para me ajudar e guardando uma grana para fazer isso, mas realmente eu quero fazer o Ronan, o Adlet Mayer do anime Rokka no Yusha, dentre outros.

O que você acha sobre os “eventos de anime” atualmente?

Eu vou a eventos de animes desde 2005, não me lembro se foi no Avex ou no Anime Dreans/ Anime Friends, eu tinha 15 anos de idade, mas hoje em dia eu admito que não tenho tanto pique por acompanhar esses eventos a mais de 10 anos, por mais que mude alguma coisa aqui e ali a estrutura e a forma de execução é muito parecida e quando você vê isso por muito tempo você acaba se acostumando e se familiarizando, apenas pequenos detalhes que se tornam novidade e não é mais aquela euforia de “pô estou indo a um evento pela minha primeira vez”, mas isso não tira a qualidade dos eventos. Acho que se hoje eu tivesse em minhas primeiras vezes em um evento eu me sentiria muito confortável, diferente de 10-15 anos atrás que algumas coisas estavam nascendo e muita gente ainda não sabia o que estava fazendo.

Qual sua opinião sobre a crescente presença de youtubers nesses eventos?

Eu penso que a presença de youtubers é uma coisa extremamente natural, pois os eventos de cultura pop, por mais que levem o nome de “animes” como “anime… alguma coisa” eles nunca necessariamente foram voltados 100% para animes. Sempre teve uma grande miscigenação de culturas em eventos e hoje o pessoal está se incomodando mais, pois a “cultura vigente” é uma cultura voltada para games, popularizada pelos E-Sports de MOBAs em geral como League of Legends e Dota e alguns FPSs. Hoje em dia acontece uma coisa muito parecida com os youtubers de uma forma geral, que estão em uma crescente muito grande, então você tem uma grande fatia desse público que assiste esses youtubers e o evento como um todo acaba englobando também esse pessoal, justamente pois o público QUER ver grandes youtubers ali, para ver uma palestra, tirar foto e ter contato com o ídolo, então isso é completamente normal, assim como também isso sempre acontece com dubladores a anos.
Se você tem um público maior que gosta de um determinado assunto, a probabilidade que essa pessoa tem de ter contato e conhecer outro tipo de cultura ali dentro é grande, então quando uma pessoa vai ao evento para ver apenas um youtuber e acaba esbarrando sem querer em um cosplayer incrível que ela nunca viu na vida, ela se interessa por aquele personagem e acaba correndo atrás e gostando daquela história e consequentemente daquela mídia, então o conhecimento da pessoa é expandido por um pequeno detalhe que ela vivenciou naquele momento e eu acho isso muito interessante.

Qual a sua visão sobre a industria e a cultura de animes atualmente?

Mesmo para quem conhece, estuda e está no meio da cultura de animes, pelo menos de uma forma jornalistica ou até entusiasta, ainda é muito difícil de entender como isso funciona, pois ele funciona de uma forma muito única e funciona só lá no Japão.
O que move a indústria dos animes hoje é uma pequena parcela de otakus japoneses que pagam absurdamente caro para ter os seus DVDs e Blu-Rays e comprar produtos relacionados aos animes que saem e são eles que ditam as regras, então por mais que você goste muito e queira ajudar de alguma forma a industria a crescer e aquecer o mercado fica muito difícil, pois você não tem muito o que fazer.
Hoje começou a surgir algumas exportações de anime de uma forma um pouco diferente da forma que acontecia nos anos 90, mas mesmo assim não é uma coisa que muda radicalmente a indústria.
A indústria dos animes não acompanhou muito bem o processo da globalização, mas não tem como continuar assim, pois os animes se tornaram mais do que nunca uma mídia mundial.

Como você se vê num futuro, como daqui uns 10 anos, você ainda pretende fazer os seus vídeos e assistir animes?

Sinceramente, depois de muitos revés da vida, eu parei de me projetar por muito mais de 2 anos, mas eu realmente quero estar profissionalmente estável e quero que os meus projetos estejam bem consolidados.
Eu me vejo e desejo ser um “tio” de 30 e poucos anos que ainda faz vídeos, pois vejo que isso é pra mim, eu já dei aula, já fui programados, já fiz outras coisas na vida, mas nunca nada me deu mais gosto de fazer do que fazer vídeos e falar de animes e, mesmo que num futuro eu não faça vídeos de animes, eu gostaria de estar no Youtube falando sobre outras coisas como tecnologia ou ensinando as pessoas com mais conteúdo de diversas áreas além de animes e o Youtube te dá uma plataforma incrível para isso.
Eu acredito mais do que tudo que educação, aprendizado e conhecimento são as melhores coisas que você pode ter na sua vida, então se eu puder ajudar as pessoas a conhecer um pouco mais, em qualquer área, eu me sentiria satisfeito.

Considerações Finais:

Pra quem começar no Youtube eu digo que você terá que matar 3 leões por dia e você vai ter que estudar muito para conseguir chegar a algum lugar, pois não é fácil, acho que estudar e ter senso crítico é a melhor mensagem que eu posso deixar para qualquer pessoa, pois sem conhecimento você não faz absolutamente nada na sua vida, então se você quer conhecer animes, ir pro Youtube, fazer games, fazer engenharia, ser médico… qualquer coisa na sua vida, seja na parte profissional ou até mesmo na parte lúdica, eu acho que é necessário ter conhecimento e senso crítico, pois essas são as armas principais para isso.
Então estude, conheça, veja os 2, 3, 5 lados da moeda que quanto mais conhecimento você ter, não só da área que você gosta, mas da vida em si, fará a sua vida mais rica.
A frase que eu deixo sobre isso é “busque conhecimento”.

você pode gostar também Mais do autor